terça-feira, 30 de setembro de 2008

Em crise

A minha pessoa está em crise. Não sei se passageira, se profunda.
Perdi a capacidade de me avaliar.
Sinto que me conheço tão bem quanto me desconheço.
Nutro segredos de mim mesma, eficazmente entranhados num inconsciente que não flui à consciência.

Vivo numa clivagem e muitas vezes sinto que não me identifico com o mundo e com os outros. Sinto-me um ente alternativo no meio de comportamentos padronizados.
Espero demasiado daquilo que nada recebo.
Oiço as conversas dos outros e parecem-me despropositadas, destemperadas, sem conteúdo e sem teor.
Tenho tanto medo que o amargo passe a ser o paladar da minha vida.

Ainda me restam vontades, mas sinto que poucas. Com medo de as perder agarro-me a uma… a vontade de sair desta crise.

15 comentários:

Golfinho Filipa disse...

Que o teu consciente te prove que a vida também pode ser doce...

Um beijinho grande

Mary disse...

Se tens vontade vais conseguir.
És uma mulher forte e independentemente ds dúvidas que te assaltem vais encontrar respostas dentro de ti.
Bjs

Anna72 disse...

Amiga, sofreste um golpe muito duro, um dos piores que existe. É natural que te sintas assim.

Se eu pudesse, de alguma forma, tornar os teus dias menos difíceis, acredita que o faria com todas as minhas energias.

Hão-de aparecer vontades para te ajudarem a superar esta crise. O seu a seu tempo.

Um abraço.

Elsa disse...

Minha querida, fica um xi bem apertadinho e sabes que estou aqui para o que precisares.

Jinhos grandes,
Elsa

P.S. Agora tens um anjo no céu a olhar por ti e ele vai-te ajudar.

Susana Pina disse...

Amiga, espero que a vida te devolva o sorriso, a vontade e a garra que sempre tives-te. Está vai ser só uma fase na tua vida passageira espero eu.
Um grande bj a um coração doce como o teu
Susana

criolinha disse...

Se eu puder ajudar...
Ai se eu pudesse ajudar...
Posso?
1001 bjs!

inca disse...

amiga vais conseguir libertar-te dessa crise, eu sei que sim. Quanto ao amargo ser o paladar da tua vida, não vai ser nunca! Quem conhece o sabor amargo desse paladar que por vezes habita de mais a nossa vida, quem como nós o consegue identificar ao longe nas palavras acidas dos outros e em recordações de magoas antigas, consegue manter esse paladar o mais afastado possível e durante a maior parte do tempo. Vais conseguir amiga, vais conseguir sair da tua “crise” e alimentar as tuas vontades. bjs enormes.

Anónimo disse...

Minha amiga,

Quem me dera poder soprar para longe essa nuvem negra que te assola e devolver-te a doçura que te caracteriza, para não mais saboreares a amargura.

As perdas deixam-nos cicatrizes profundas, ainda que a ferida sare, a marca está lá para nos lembrar. A dor, ao início, cada dia parece ser mais insuportável, mas virá o dia em que começa a doer um bocadinho menos...

Deixo-te aqui mais um beijinho e o meu apoio incondicional.
Mena

Maganita disse...

Amiga, gostava tanto de te deixar palavras que tivessem o condão de te aliviar a dor que te percorre...

O tempo, esse que tantas vezes é nosso inimigo, vai ajudar-te a ultrapassar estes tempos mais sombrios e um dia eu sei que voltarás a sorrir.

Até lá (e espero que por muito mais tempo) podes contar com o meu carinho.

Um grande beijinho

Susana disse...

Há bastante tempo que acompanho o teu blog, não sei se já alguma vez comentei.
Desde que contaste aquilo que se passou contigo que sentia vontade de te escrever.
Passei por uma perda súbita, devastadora e inaceitável semelhante à tua em Março deste ano.
Tenho vindo a sentir-me viver uma realidade alternativa, uma série de situações que ainda não consigo acreditar que pertencem mesmo à minha vida.

Mudei profundamente porque nunca mais somos a mesma pessoa depois disto. A nossa vida tal como a conhecíamos nunca mais existirá.

E no entanto a vida continua a correr, as pessoas continuam iguais, continuam a falar das mesmas coisas (que agora nos parecem ainda mais vazias e sem sentido do que antes), continuam a preocupar-se com o que nos parece insignificante perante a revolução que aconteceu na nossa vida.

Sentimo-nos estranhas, como se estivessemos a pairar, a observar a nossa própria existência. Falamos de coisas banais, trabalhamos, compramos coisas, comemos,... mas parece que não somos nós. É uma sensação de "eu estou a fazer isto porque toda a gente faz e eu também tenho que continuar a fazer, mas isto não faz qualquer sentido para mim".

Depois desta longa divagação, a sensação que tenho é de que podia estar aqui para sempre a explicar o que sinto sem o conseguir.

Mas acredito que tu compreendas.

Por outro lado, tenho conseguido neste tempo ir buscar algum conforto e bem-estar ao tentar lembrar-me que a minha vida ainda tem coisas e pessoas que valem a pena e desfrutar coisinhas pequeninas, prazeres pequeninos...

Admito que também tenho fechado os meus montros todos num armário bem escondido na cave e tentado levar o dia-a-dia, passinho pequenino a passinho pequenino... para tentar tornar tudo mais suportável, dia a dia.

Espero que consigas também começar a ter cada dia um pouco melhor do que o anterior.

Beijinhos

Susana
susanaguedes33@hotmail.com

stardust disse...

Tens um aroma marcadamente doce minha amiga, essa crise vai passar e assim como as tuas homónimas se renovam todos os anos e renascem, tmb tu vais renovar o teu aroma e voltar a adoçar os nossos olhos com as tuas sábias palavras.

Beijocas

pat07 disse...

Não gosto de te ver "falar" assim, és sempre tão positiva. Força aí amiga, é natural que a perda do teu pai te deixe mais pessimista, mas de onde ele estiver vai-te dar força para continuares e voltares ao que eras. Um grande beijinho

:) disse...

Amora do Bosque, entraste dentro de mim?! Como é possível estares a sentir tanta coisa que eu tb tenho sentido?!

"Perdi a capacidade de me avaliar. Sinto que me conheço tão bem quanto me desconheço."

Nem imaginas como isto me cai que nem uma luva, Amorinha do meu bosque!

soniaq disse...

amora linda
deixo-te o meu abraço e um beijinho
sona

TC disse...

Parece-me a vontade principal, atrás da qual surgirão, bem devagarinho, outras.
Agarra-te bem a ela, estás no caminho certo.